MINISTÉRIO DA CULTURA  apresenta

Notícias

16 de Março de 2018

Olhar Itinerante

Postada em 16 de Março de 2018 em Conteúdo.

Olhar Itinerante

A olhar itinerante nasce de uma necessidade de levar o cinema para o interior. Cidades que não possuem salas e pessoas que têm carência de acesso a cultura.

Em 2017 conseguimos chegar em 34 cidades e tivemos um público de mais de 3.600 pessoas.

“Acreditamos que levar esse acesso a essas pessoas, principalmente às escolas municipais e estaduais do interior, cria um fomento a cultura no nosso estado. Quando pensamos em um festival apenas dentro de uma sala de cinema em um bairro rico de Curitiba estamos sendo muito reducionistas. A Olhar Itinerante torna o festival muito mais democrático. Fazemos exibições em salas de aula, em barracões, em pequenas bibliotecas e onde for possível. O importante é possibilitar o acesso a essas pessoas ao cinema. Incluí-las nesse universo. Todo ano tentamos chegar a mais cidades e a mais pessoas. Nossa intenção é desmistificar o cinema autoral e independente feito no Brasil e no mundo.” Antônio Junior, diretor do festival.

 

13 de Março de 2018

Mirada Paranaense – o cinema local em foco

Postada em 13 de Março de 2018 em Conteúdo.

Mirada Paranaense – o cinema local em foco

A mostra Mirada Paranaense é dedicada a apresentar ao público um panorama da produção audiovisual local, do estado brasileiro do Paraná. O público é convidado a conhecer as primeiras produções dos/as jovens realizadores/as locais, bem como a acompanhar novos trabalhos de realizadores/as experientes.

Pedimos ao diretor do festival Antônio Junior para falar um pouco sobre a importância da mostra dentro do festival

“A mirada paranaense é uma mostra que faz parte do Olhar de Cinema – FIC desde sua primeira edição. Ela se tornou um espaço privilegiado para a exibição da produção feita no estado que sedia o evento e uma janela para jovens realizadores e realizadoras exibirem e discutirem seus filmes com uma platéia de mais de 400 pessoas. Sempre pensamos na mirada paranaense como uma mostra central para o festival, já que ela também é um momento em que lançamos diversos curtas e longas feitos no estado e isso atrai os agentes locais do cinema gerando um ambiente para encontros e construção de parcerias.”

Durante os 6 últimos anos já exibimos 49 produções paranaenses, entre curtas e longas-metragens.
Alguns dos filmes que passaram por aqui ano passado e retrasado tiveram uma boa carreira em outros festivais também.

A canção do asfalto

Dir. Pedro Giongo
2017, 16’
// FESTIVAIS
20th Mostra de Cinema de Tiradentes – Brasil – Premiere, 23 Jan 2017
5th Mostra de Cinema de Tiradentes SP – São Paulo, Brasil, 2017
9th Mostra Outros Cinemas – Fortaleza, Brasil, 2017
6th Olhar de Cinema, Int. Film Festival – Curitiba, Brasil, 2017
Curtas Brasileiros Contemporâneos na Cinémathèque Française – Paris, França, 2017
28th Festival Int. de Curtas Metragens de São Paulo – Brasil, 2017
24th Festival de Cinema de Vitória – Brasil, 2017
19th Festival Int. de Curtas de Belo Horizonte – Brasil, 2017
17th Goiânia Mostra Curtas – Brasil, 2017
14th Fenavid – Festival Int. de Cine Santa Cruz – Bolivia, 2017
27th Festival Int. de Curtas do Rio de Janeiro – Brasil, 2017
13th Cinefest Gato Preto – Lorena, Brasil, 2017
19th Festival Kinoarte de Cinema – Londrina, Brasil, 2017

 

O mundo estratifica o corpo se desloca

Dir. Igor Urban
2017, 21’
// FESTIVAIS
6th Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba (WP – Jun 2017)
11th Cine BH – Mostra de Cinema de Belo Horizonte, 2017
4th Lumiar – Festival Interamericano de Cinema, 2017
FICBIC – Festival Internacional de Cinema da Bienal de Curitiba 2017
Festival Psicodália 2018

 

A Grande Nuvem Cinza

Dir. Marcelo Munhoz
2016, 72’
// FESTIVAIS
5th Olhar de Cinema – Curitiba International Film Festival (Estreia), 2016
18th FICA – Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental, 2016
6th FILMAMBIENTE International Environmental Film Festival, 2016
6th Mostra Ecofalante Environmental Film Festival, 2017
6th Family Film Project – Festival Internacional de Cinema de Arquivo, Memória e Etnografia, 2017
// PRÊMIOS
Grand Prix do Júri – 6th Family Film Project – Festival Internacional de Cinema de Arquivo, Memória e Etnografia, 2017

 

João & Maria

Dir. Eduardo Baggio
2016, 20’
// FESTIVAIS
5th Festival Olhar de Cinema 2016
12th Panorama Internacional Coisa de Cinema 2016
3th Fronteira Internacional do Filme Documentário e Experimental 2016
3th Cine Jardim 2016
2th Fevuem – Festival de Vídeos UEM 2016
Cartas do Mundão 2016 (diversas cidades em Pernambuco)
5th Festival de Cinema Curta Pinhais – Festcine 2017
Mostra Sesc de Cinema Paraná 2017
5th Jornadas do Cinema em Português (UBI – Portugal) 2017
Mostra de Cinema de Fama (MG) 2017
Festival 3 Margens 2017 (Brasil, Argentina e Paraguai)

 

Noite Púrpura

Dir. Caroline Biagi
2016, 18’
// FESTIVAIS
5th Olhar de Cinema – Curitiba International Film Festival – Mirada Paranaense (Curitiba, PR, 2016)
2th Festicini – Festival Internacional de Cinema Independente – Mostra Paralela (Sumaré, SP, 2016)
14th Curta Santos – Festival de Cinema de Santos – Mostra das Minas (Santos, SP, 2016)
2th Mostra Ela Na Tela (Porto Alegre, RS, 2016)
4th FAB – Festival de Audiovisual de Belém – Mostra Competitiva (Belém, PA, 2016)
1th Cine Tamoio Festival – Mostra Competitiva (São Gonçalo, RJ, 2016)
11th Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro – Mostra Competitiva (João Pessoa, PB, 2016)
5th Iguacine – Festival de Cinema da Cidade de Nova Iguaçu – Mostra Competitiva (Nova Iguaçu, RJ, 2017)
9th Mostra Outros Cinemas (Fortaleza, CE, 2017)
4th Festival de Finos Filmes – Mostra Competitiva (São Paulo, SP, 2017)
19th Festival Kinoarte de Cinema – Competitiva Paranaense (Londrina, PR, 2017) – Prêmio de Melhor Direção de Arte
14th FIM – Festival Imagem-Movimento (Macapá, AP, 2017)
// PRÊMIOS
Melhor Direção de Arte da Competitiva Paranaense do 19º Festival Kinoarte de Cinema.
Foi exibido no Canal Brasil, e também está licenciado para o Hysteria, que deve lançar o filme na plataforma online no segundo semestre.

 

O último retrato

Dir. Arthur Tuoto
2016, 15’
// FESTIVAIS
5º Olhar de Cinema – CIFF / Mirada Paranaense (Curitiba/PR – junho/2016)
Paura Festival Internacional de Cine de Terror,  Valência/Espanha
Mostra do Filme Livre – Rio de Janeiro 2017
O curta está percorrendo o circuito da Mostra Sesc de Cinema, sendo exibido em várias unidades da instituição.
http://www.sesc.com.br/portal/site/mostradecinema/mostra+nacional/sul
Na mostra regional do Sesc ele ganhou prêmio de Melhor Direção, Roteiro e Som. E na mostra nacional, prêmio de melhor som.

 

Órion

dir. Rodriane DL
2016, 16’
// FESTIVAIS
Palmacine – Festival de Cinema de Palmácia(Mar 2018) Palmácia/CE, Brazil
FESTin – Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa(Feb 2018) Lisboa, Portugal
10th Festival de Cinema da Lapa (Nov 2017)Lapa/PR, Brazil
11th Mostra Curta Audiovisual (Nov 2017) Campinas, Brazil
1th Festival de Cinema de Carpina (Nov 2017) Carpina/PE, Brazil
Cine Tornado Festival (Nov 2017) Curitiba/PR, Brazil
13th Cinefest Gato Preto (Nov 2017) Lorena/SP, Brazil
Cardiff International Film Festival (Oct 2017) Cardiff, United Kingdom
4th Festissauro – Festival de Cinema de Sousa (Oct 2017) Sousa/PB, Brazil
15th Festival Internacional de Cinema Infantil – FICI 2017 (Sep 2017) Rio de Janeiro, Brazil
Expressions Short Film Festival(Jul 2017) Nagpur, India
1th Mostra Feministas de Quinta (Jun 2017) Vitória/ES, Brazil
6th OLHAR DE CINEMA – Festival Internacional de Cinema de Curitib (Jun 2017) Curitiba/PR, Brazil
3th Cine Jardim (May 2017) Belo Jardim/PE, Brazil
5th Festcine – Festival de Cinema “Curta Pinhais” (Apr 2017) Pinhais/PR, Brazil
1th Bienal Internacional do Cinema Sonoro(Mar 2017) Goiânia/GO, Brazil
16th Mostra do Filme Livre (Mar 2017) Rio de Janeiro/RJ, Brazil
3th Mostra de Cinema Feminista (Mar 2017) Belo Horizonte/MG, Brazil
1th CINE TAMOIO (Dec 2016) São Gonçalo/RJ, Brazil
Mostra das Minas (Nov 2016) Santos/SP, Brazil
2th Mostra Ela na Tela (Oct 2016) Porto Alegre/RS, Brazil
2th FESTICINI – Festival Internacional de Cinema Independente (Sep 2016) Sumaré/SP, Brazil
// PRÊMIOS
15º Festival Internacional de Cinema Infantil – FICI 2017 (Sep 2017) Rio de Janeiro, Brazil – Prêmio Exibição TV Brasil
Cine Tornado Festival (Nov 2017) Curitiba/PR, Brazil – 2° Lugar

Pai aos 15

Dir. Danilo Custódio
2016, 16’
// FESTIVAIS
5th Olhar de Cinema – CIFF / Mirada Paranaense (Curitiba/PR – junho/2016)
14th FICI – Festival Inter. de Cinema Infantil / Mostra Teen (Rio de Janeiro/RJ – set/2016)
4th FAB – Festival de Audiovisual de Belém (Belém/PA – novembro/2016)
20th Mostra de Cinema de Tiradentes / Mostra Jovem (Tiradentes/MG – janeiro/2017)
Programa Nova Era de Arte e Educação / Cine Expressão  (Nova Era/MG – abril/2017)
11th Mostra Cinema e Direitos Humanos / Mostra Panorama: direitos da criança e do adolescente (Todas as capitais do Brasil – maio à junho/2017)
3th FestMCA – Festival Mate com Angu de Cinema Popular (Duque de Caxias/RJ – maio/2017)
12th CineOP – Mostra de Cinema de Ouro Preto / Mostra Expressão: o cinema vai à escola (Ouro Preto/MG – Junho/2017)
2th Recria Cine – Mostra de Cinema para Crianças e Adolescentes (Ervália/MG – julho/2017)
11th CineBH – Mostra Int. de Cinema de Belo Horizonte / Gestos de Cinema (Belo Horizonte/MG – agosto/2017)
28th Curta Kinoforum – Festival Int. de Curtas de São Paulo / Mostra Infanto-Juvenil (São Paulo/SP – agosto e setembro/2017)
17th Goiânia Mostra Curtas / Mostrinha (Goiânia/GO – outubro/2017)
4th Primeira Janela – Festival de Cinema Infanto Juvenil de Porto Alegre / Categoria Jovem (Porto Alegre/RS – novembro/2017)
1th Intersessões – Festival de Cinema de Ubá / Sessão Escola Juvenil (Ubá/MG – março/2018)
26th Curta Cinema – Festival Int. de Curtas do Rio de Janeiro / Processos Formativos (Rio de Janeiro/RJ – novembro/2016)
// PRÊMIOS
Júri Popular / 17º Goiânia Mostra Curtas  – Melhor Filme da Mostrinha
Prêmio Brasil de Cinema Infantil / 14º FICI – Melhor filme da Mostra Teen

02 de Março de 2018

Mostra Foco 2017 // Anocha Suwichakornpong

Postada em 02 de Março de 2018 em Conteúdo.

Mostra Foco 2017 // Anocha Suwichakornpong

Algumas lembranças de Anocha

A edição de 2017 da mostra Olhar Foco colocou em destaque o trabalho da grande cineasta tailandesa contemporânea Anocha Suwichakornpong (http://olhardecinema.com.br/2017/2017/foco-anocha-suwichakornpong/) . A mostra ofereceu 4 programas compostos por 10 filmes, incluindo a estreia brasileira de seu trabalho recente, o incrível filme Dao Khanong (2016), e a estréia internacional de seu lindo filme media-metragem Fantasmas (2005).

Anocha esteve no festival por 4 dias, e participou de debates após as sessões de seus filmes e também ministrou uma Masterclass. No link a seguir você pode ler um resumo generosamente feito pela crítica Samantha Brasil: http://deliriumnerd.com/2017/06/27/cineasta-anocha-suwichakornpong/

Anocha em sua participação no 6º Olhar

Desde a edição do Olhar do ano passado, Anocha manteve-se ocupada com suas produtoras de filmes. Electric Eel Films (http://www.electriceelfilms.com/) e Purin Pictures (https://www.purinpictures.org/). Ela nos enviou esse breve texto abaixo de sua terra natal onde atualmente está realizando um projeto de arte em colaboração com o cineasta britânico Ben Rivers.

O artista da mostra Foco desse ano será anunciado em breve. Ou, talvez, a artista.

 

Anocha Suwichakornpong

Bangkok, 24 de fevereiro de 2018

No ano passado, visitei o Brasil pela primeira vez. Curitiba era um nome desconhecido para mim. “É frio lá”, “Leve seu casaco” foram os comentários que eu ouvi quando eu disse a algumas pessoas que eu estava indo para lá em junho. E, claro, eles estavam certos – o clima era bastante frio durante o Olhar de Cinema. No entanto, foi o calor, o entusiasmo e a generosidade das pessoas que conheci durante a minha breve visita, que vem à tona quando eu olho para trás em 2017.

Era uma alegria para mim observar o público – muitos dos quais eram bastante jovens – correndo de uma sessão para outra. O ar estava cheio de energia positiva. Eu também notei que muitas pessoas – estudantes de cinema, público em geral, críticos de cinema e jornalistas, funcionários do festival e programadores – pareciam ter um saudável interesse em questões que envolvem mulheres e mulheres cineastas. Esta foi uma experiência que não lembro de ter em nenhum outro lugar.

A programação foi igualmente impressionante para mim. Como meu tempo em Curitiba foi bastante limitado, não tive a chance de assistir tantos filmes quanto eu gostaria de ter assistido. No entanto, tive a sorte de pegar o Tabu (1931) de Murnau – que filme glorioso! Destaco também Máquinas (2016), de Rahul Jain, cineasta indiano que também veio ao festival e chegou no mesmo voo que eu. A amizade se formava ali.

Finalmente, é ao programador Aaron Cutler a quem devo agradecer sinceramente. Aaron foi o mágico que fez minha viagem ser possível e verdadeiramente memorável. Tudo começou quando ele propôs um programa com foco em meu trabalho.

Agora temos o começo.

 

Frame de Dao Khanong (Anocha Suwichakornpong, 2016)

 

Frame de História Mundana (Anocha Suwichakornpong, 2009)

 

Máquinas (Rahul Jain, 2016)

20 de Fevereiro de 2018

Olhar Retrospectivo //2017//

Postada em 20 de Fevereiro de 2018 em Conteúdo.

Olhar Retrospectivo //2017//

A mostra Olhar Retrospectivo destaca um grande nome do cinema mundial, fazendo uma retrospectiva e uma reflexão aprofundada da obra e da trajetória do/a autor/a.

 

 

Sobre F.W. Murnau

Aaron Cutler

14 de fevereiro de 2018

 

A ideia do Olhar Retrospectivo do ano passado, com os filmes de Friedrich Wilhelm Murnau (http://olhardecinema.com.br/2017/2017/olhar-retrospectivo-fw-murnau/), veio pela primeira vez em minha mente quando li sobre a nova restauração do filme sobrevivente mais antigo do grande cineasta Expressionista e Romântico, Caminhada Noite Adentro (1921), feita pelo Museu de Cinema de Munique (informação sobre a qual pode ser encontrada em inglês aqui – http://www.giornatedelcinemamuto.it/en/der-gang-in-die-nacht/ – e aqui – http://www.davidbordwell.net/blog/2016/11/06/murnau-before-nosferatu/). Mas talvez tenha nascido de verdade na noite de domingo, 4 de abril de 2010, quando tive meu primeiro encontro com uma paulistana chamada Mariana Shellard, para ver, ás 19h40, a exibição do filme Aurora (1927) de Murnau, no cinema Film Forum na minha antiga cidade de Nova York. Agora, mais de sete anos depois de me mudar para São Paulo para viver com ela, Murnau e Brasil permanecem conectados em minha mente.

A retrospectiva exibiu ao público cópias restauradas em DCP de 10 dos 12 filmes de Murnau que resistiram ao tempo (durante a vida curta do cineasta, ele fez um total de 21 filmes). A seleção contou com Caminhada Noite Adentro e Aurora, bem como mais oito filmes oferecidos por um extraordinário centro de preservação de filmes antigos alemães e da República de Weimar chamada a Fundação Friedrich Wilhelm Murnau. A palavra “restauração”, em termos práticos, refere-se à reparação física de elementos danificados, que graças a arquivistas como Luciano Berriatúa (http://olhardecinema.com.br/2017/2017/o-cinema-de-murnau- por-luciano-berriatua/) foram feitas com grande cuidado e respeito pelo trabalho de Murnau. E restauração, adequadamente, é o tema central dos filmes de Murnau, nos quais os indivíduos psicologicamente danificados encontram formas de sobreviver no mundo através da imaginação e da esperança.

Foi extraordinariamente gratificante ver as pessoas entrando em filas enormes para assistir obras-primas famosas como A Última Gargalhada (1924) e Tabu (1931), bem como filmes menos conhecidos, mas igualmente excelentes, como Fantasma (1922). As sessões lotadas nas exibições dos filmes deste inovador serviram como uma forte repreensão contra a ideia de que o cinema experimental não atrai público. Agradeço a todos os que contribuíram de alguma forma para a retrospectiva, incluindo os participantes do seminário “O legado de Murnau” (http://www.olhardecinema.com.br/2018/en/news/page/2/) que ocorreram durante o festival, bem como todos os críticos que escreveram sobre os filmes com cuidado e simpatia.

Se eu pudesse destacar um filme de Murnau aos leitores desta postagem, seria um filme que não mostramos: O Pão Nosso de Cada Dia (1930), um trabalho tremendamente caloroso, gentil e generoso, que Murnau fez como uma sequência não oficial de Aurora. Nós não o exibimos porque, embora existam cópias 35 mm do filme, ele ainda não recebeu a restauração em DCP que merece. Enquanto isso, o filme pode ser visto aqui: https://www.youtube.com/watch?v=oT1kZYjOi4M

E, se eu pudesse expressar um arrependimento sobre a retrospectiva do ano passado, era que eu (como curador da mostra) não consultei outras pessoas para mais ideias de como apresentar melhor os filmes. O Olhar Retrospectivo deste ano será, portanto, diferente de forma crucial. Embora os filmes ainda não possam ser revelados, estou orgulhoso em dizer que este ano estou trabalhando na retrospectiva com Carla Italiano, que é a nova integrante da equipe de programadores de longa-metragem, já tendo trabalhado em 2017 na equipe de seleção de curtas. A oportunidade que todos nós temos para aproveitar do trabalho desta pessoa extraordinária é um privilégio e uma alegria.

 

Caminha noite adentro (The Dark Road, 1921)

Fausto (Faust, 1926)

Aurora (Sunrise, 1927)

O pão nosso de cada dia (City Girl, 1930)

28 de junho de 2017

Podcasts do Seminário de Cinema de Curitiba 2017

Postada em 28 de junho de 2017 em Conteúdo.

Podcasts do Seminário de Cinema de Curitiba 2017

Está disponível os podcasts das sete mesas que aconteceram no Sesc Paço da Liberdade durante o #6olhardecinema.

Equipe de Programação

 

Cinema de Invenção

 

Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema

 

O legado de Murnau

 

Crítica Vlogger

 

Roteiro de Série de TV

 

Lançamento de livro – Bernardet 80 – Impacto e influência no cinema brasileiro

27 de junho de 2017

Catálogo 2017

Postada em 27 de junho de 2017 em Conteúdo.

Catálogo 2017

Newsletter

Cadastre-se e mantenha-se informado sobre tudo que acontece no Olhar de Cinema.